Qual o peso que um Sucessor carrega no contexto de uma empresa familiar? E como fazer para se libertar.

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Ser filho do “dono” é um rótulo pesado que carregamos, e quase sempre as pessoas questionam nossas capacidades e competências.

Para qualquer membro das gerações seguintes a missão de suceder o Fundador no comando de uma empresa é sempre muito difícil. A tarefa é ainda mais desafiadora quando os empreendedores que iniciaram o negócio foram corajosos, assumiram riscos, foram determinados e construíram uma história.

Muitas vezes o fundador (a) é autoritário, centralizador, figura forte e carismática, envolvente e conta com o respeito de toda empresa e da família. Essas características importantes e que foram decisivas para trazer a organização para o momento atual, podem gerar obstáculos que dificultam o processo de sucessão.

Sou membro da 2ª geração de uma família empresária, e vivenciei todos os desafios e emoções inerentes a este chapéu. Recentemente, ajudando outras empresas familiares a passarem de forma inteligente por este processo e entrevistando muitos sucessores durante os programas de sucessão que realizo, percebi que existem algumas “dores” comuns entre todos nós.

Ser filho do “dono” é um rótulo pesado que carregamos, e quase sempre as pessoas questionam nossas capacidades e competências. Ser validado e reconhecido pelo fundador, que também veste o chapéu de pai ou mãe é mais que um desejo, é quase uma necessidade. O problema é que somos excelentes em apontar falhas e cobrar, mas muito amadores quando o assunto é reconhecer e elogiar. Com membros da família muitas vezes é ainda pior.

Há ainda o peso da obrigação de sermos iguais ou melhores que nosso antecessor. Será que não podemos apenas ser diferentes?
Ouvi vários relatos de jovens que trabalham na empresa da família, com o desafio de conquistar o “mesmo” respeito que o fundador tem perante os colaboradores, fornecedores e clientes. Alguns sucessores também se cobram de manter os gráficos subindo, continuar o negócio, não decepcionar.

Assumir o leme, encarar um processo de transição nunca é fácil. Muitas vezes precisamos desmontar alguns preceitos que haviam regido a empresa desde sua fundação. Temos que encerrar um ciclo para começar a escrever um novo capitulo, com novas estratégias, prioridades, abrindo as portas para novas tecnologias, novos talentos, novas parcerias. Afinal, o contexto não é mais o mesmo.

Com intuito de ajudar os sucessores e provocar algumas reflexões, compartilho abaixo alguns aprendizados práticos e dicas:

  1. Amor e admiração é o que gera o desejo de perpetuar, de fazer parte de continuar um legado.
  2. Tenha orgulho de tudo que foi construído, valorize a história da sua família, do fundador. Seja grato por tudo que fizeram por você e pela chance de contribuir.
  3. CHEGA DE FALAR EM SUCESSÃO. Vamos falar em CONTINUIDADE. Foco em continuar o negócio e manter a harmonia entre os familiares. As gerações mais novas precisam ser mais humildes e devem aprender com quem tem mais experiência.
  4. Tenha paciência. Não queime etapas, não atropele as coisas. Precisamos de tempo para crescer, para ganhar confiança, autonomia. Entenda que seus pais foram criados em outro ambiente e possuem mindset diferente do seu, pois viveram desafios e situações distintas.
  5. Ofereça AJUDA e não crítica. Não chegue querendo mudar tudo, apontando somente o que está errado (na sua visão!). Deixe claro que você está lá para ajudar, para construir. Pergunte como pode aprender e colaborar.
  6. Respeite seu perfil. Seja quem você realmente é, e não quem as pessoas querem que você seja. Não carregue a responsabilidade de ser como o fundador foi, não se cobre tanto. Somos diferentes, somos únicos. Procure se autoconhecer, entenda seus pontos fortes e fracos, busque desenvolvimento. Crie sua própria história sempre valorizando, respeitando e sendo grato pelos seus antecessores.

 

Acredito na parceria entre as gerações, que fortalecem a identidade da família e cuidam dos negócios juntas. Cabe as gerações mais novas criar canais de comunicação adequados para que todos estejam alinhados, focados e com energia na mesma direção.

Como sempre digo, orgulho do passado, foco no presente e olho no futuro.

Thiago Salgado

Fundador da Famíliia S.A.