O que toda geração mais nova precisa saber ao se envolver com a empresa da família?

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Como muitos já sabem, trabalhei por mais de 20 anos na empresa da minha família, vivenciei os papéis de filho, executivo, herdeiro, irmão, sócio, e todos os desafios que envolvem o crescimento e organização de uma empresa familiar e da própria família.

Sempre fui um apaixonado pelo tema empresas familiares e nos últimos dois anos, tenho participado de conselhos, projetos de consultoria que tem como missão ajudar empresas familiares a passar de forma inteligente por todo o processo de crescimento e desenvolvimento (como minha família passou), evitando conflitos que podem ser evitados e aumentando a chance de aproveitar novas oportunidades.

 Posso assegurar a vocês (por ter vivido na pele e por testemunhar na grande maioria das empresas que tenho contato), que um dos maiores desafios que as empresas familiares enfrentam é o alinhamento entre as gerações.

 Resolvi escrever este post aqui no FAMÍLIA S.A, para falar deste assunto e compartilhar com todas as gerações mais novas (2ª, 3ª, 4ª…) algumas reflexões e dicas que eu gostaria de ter recebido quando eu estava começando na empresa da minha família. Ah! Como teria sido mais fácil ou menos difícil, porque fácil nunca é. Vocês me entendem, não é? Apenas quem vive o universo de uma empresa familiar compreende que as coisas não são apenas lógicas e que precisamos aprender a lidar com um turbilhão de emoções.

 O que eu gostaria de ter ouvido mas nunca ninguém me contou?

 # Respeite o legado

Você está chegando agora e para empresa estar onde está muita gente já ralou, assumiu riscos, suou a camisa. Procure conhecer a história, o que motivou esta empresa ser criada, quem foram as pessoas que passaram por aqui. Seja grato e tenha orgulho deste passado.

 #Tenha humildade

Quando somos jovens, cheios de energia, achamos que sabemos de tudo e que a nossa visão é a correta. Sucessores inteligentes tem humildade para aprender com as gerações mais velhas. Fundadores e as gerações mais experientes passaram por coisas que nem imaginamos e podem nos ensinar muito.

 #Paciência vale ouro!

Esta é uma das minhas preferidas. Vejo muitos integrantes das novas gerações queimando etapas, atropelando as coisas. Precisamos de tempo para crescer e também precisamos entender que nossos pais foram criados em outro ambiente, tanto na família como na empresa. Muitas vezes precisamos criar várias estratégias para que todos estejam alinhados e enxergando um objetivo comum. Lembrem-se que as gerações em muitos casos possuem um mindset diferente, pois viveram situações e desafios diferentes.  Cabe às novas gerações criar os canais de comunicação adequados para que todos estejam focados e com energia na mesma direção.

 # Chega de falar em Sucessão. Vamos falar em parceria entre as gerações.

Aprendi que fundadores odeiam o termo sucessão e com razão, pois muitas vezes remete erroneamente a fim de um ciclo, fim da linha, substituição. Quer dizer que não tenho mais valor? (Escutei uma vez de um fundador). Famílias empresárias não falam em sucessão, mas sim em parceria, em CONTINUIDADE do negócio e harmonia entre os familiares. Desta forma, a geração mais nova aprende a aprender todos os dias com quem tem toda a experiência e os fundadores se abrem para ouvir mais quem está chegando, abrindo espaço para que estes “meninos” e “meninas” se desenvolvam, tragam novas ideias e experiências, novas visões. Serão eles que guiaram os negócios da família no futuro. Então, vamos prepara-los.

 # Ofereça ajuda e não críticas.

Ao invés de chegar querendo mudar tudo e mostrando o que está errado (na sua interpretação!), deixe claro que você está lá para ajudar. Pergunte como pode aprender e como pode colaborar. Ninguém gosta de ser criticado, mas todos nós gostamos de ter suporte. Quando as pessoas envolvidas percebem que todos estão lutando por um mesmo objetivo, o solo fica fértil para o crescimento.

 # Respeite seu perfil. Seja quem você é.

Vivenciei muitas vezes situações onde gerações mais novas sentem o peso ou mesmo uma autocobrança para serem como o fundador é ou foi. Somos diferentes e não podemos querer ser quem não somos. Precisamos nos AUTOCONHECER (precisa ter coragem para isso!), entender nossos pontos fortes, nossas fraquezas (sim temos muitas!), desenvolver nossos talentos e criar nossa própria história, sempre valorizando, respeitando e agradecendo nossos antecessores.

 Em empresas familiares, nem sempre o caminho mais eficiente é o ideal. Existem muitas variáveis em jogo que não se aplicam ao mundo corporativo tradicional. Para muitas famílias empresárias, que possuem valores que admiro, ter sucesso não é apenas fazer o negócio crescer e se desenvolver, mas principalmente manter a harmonia, segurança e a felicidade da família.

 Se você faz parte das gerações mais novas de uma empresa familiar, compartilhe conosco sua experiência e opiniões. Quando compartilhamos, organizamos nosso pensamento e ainda de quebra ajudamos muitas outras famílias empresárias.

Thiago Salgado

Fundador da Famíliia S.A.